domingo, 26 de Julho de 2009

Abu Simbel


Ora aí está, uma nova cara para o blog! Como sabem, uma das características do blog é mudar de aspecto, tal como nós ele também é vaidoso e tem tanto para vos mostrar! Sei que gostam desta característica e que até me perguntam pq nunca mais mudei o aspecto e que já está há muito tempo vestido da mesma maneira, por isso, digamos que essa é também uma característica werzenonblog!

Como prometi que diria sempre de que trata o novo tema, e como sabem que é sempre feito por mim, ora estas são imagens que não são difíceis de identificar, porque se tratam de promenores de fotos tirádas por mim num dos locais mais fabulosos que já conheci e que penso, que mesmo que viva muitos anos ficará sempre no top dos melhores momentos e locais da minha vida, Abu Simbel. Como não é difícil saberem rápido tudo o que quiserem sobre a fabulosa história deste local, decidi contar-vos apenas uma pequena parte de mais uma das nossas grandes aventuras!

Depois de termos viajado de Lisboa para Madrid, esperado quase uma noite no aeroporto de Barajas (sim, aquele onde já passámos parte significativa das nossas vidas...à espera...à espera...), finalmente apanhamos o avião que nos levou 6 horas depois para o magnífico Egipto. Aterrámos em Assuam, já extremamente cansados e infrentámos um calor abrasador que contrastáva com as temperaturas bem mais frescas que se faziam sentir na europa em Março, o que aumentou significativamente o nosso cansaço. Viajámos de autocarro mais algum tempo, para chegarmos ao barco/cruzeiro, onde iriamos passar as próximas noites a navegar pelo Nilo.
Após a chegada e já quase a arrastármo-nos fazemos check-in a pensar que estaria próximo o tão esperado descanso, já que a noite naquele país já ia longa, sendo nessa altura por volta da meia-noite e é esse o momento em que nos dizem que temos de subir ao topo do barco para nos ser apresentado o nosso guia. Bom, nessa altura e com o calor incrível que quase não nos deixava respirar, nós, os únicos portugueses a bordo, mais todos os outros espanhois, arrastámo-nos mais uma vez, desta feita para o o tal piso superior onde recebemos a notícia menos esperada da noite: a viajem para Abu Simbel, (aquele local fantástico que todos queria conhecer nem que fosse uma vez na vida), era naquela noite!!! E eu disse ao guia em português, que apesar de ele só falar espanhol entendeu perfeitamente: Hoje à noite? Agora?!!!. Ao que ele respondeu simplesmente: "SI. Partimos a las 3 de la mañana!". Bem, olhámos de relance para os relógios e entretanto já eram praí 1:30h e eu pensei: não vou aguentar! Mas aguentei!

Partímos de facto às 3 da matina, todos juntos na recepção, nós, os espanhois e não sei quantas pessoas de outros barcos, espalhadas pelos autocarros e acompanhados pela polícia que nos iria levar seguros até Abu Simbel.

Foi uma cena surreal, de almofadas na mão partimos, fizemos 300 e tal kilometros, dormimos, falámos, comemos e vimos o nascer do Sol mais lindo do deserto do Sahara, por fim chegámos a Abu Simbel e confesso que chorei! Foi LINDO! À direita o lago Nasser à esquerda a querer espreitar por entre as rochas ABU SIMBEL! E de repente senti-me pequena, e de repente senti-me grande...que maravilhosa a civilização humana! Beijámo-nos, sorrimos e corremos para ver de perto e de repente todo o cansaço tinha passádo e sentia-me melhor que nunca!

Ora cá estamos nós!!!


Olá! Cá estamos nós outra vez! É verdade, o WerzenOnBlog está para durar, apesar desta última pausa mais prolongada. Passado este tempo, temos que a gradecer aos amigos e seguidores que nos fizeram chegar as suas saudades de ver este blog no activo, obrigado!

Como sabem andávamos práqui há já algum tempo com um projecto antigo por terminar, e desta vez conseguimos chegar à tão aguardada meta, de que alguns já têm conhecimento, mas para os que ainda não sabem, aqui vão as palavras que ainda nos apetecem gritar passádas 2 semanas do grande momento: PASSÁMOS!!! PASSÁMOS!!! PASSÁMOS!!! Ora aí está já somos detentores da tão ansiada Carta de Condução! Não me canso de dizer, fomos a exame os 2 no mesmo dia, à mesma hora, com o mesmo carro, o mesmo examinador e a mesma fantástica instrutora, a mestra Paulinha, e PASSÁMOS!!! (parece que já disse PASSÁMOS, vezes a mais, Ups, sorry, outra vez...).

Ah pois é, agora andamos para aqui feitos malucos no nosso carrito que já baptizamos de Azulinho, por isso respeitinho por ele que é velhote, mas ainda está aí para as curvas, e que curvas! Só me apetece cantar:"... aqui vou eu para a Costa, aqui vou eu cheia de pica, de Lisboa vou fugir vou pró sol da Caparica!"

domingo, 3 de Maio de 2009

Let the right one in - Cinema...e do bom!

Assim, sim! Como sabem, sou uma fã incondicional de cinema fantástico e mais precisamente da personagem, vampiro. Comecei este post com a exclamação, assim, sim, porque foi exactamente o q me ocorreu quando acabei de ver o brilhante, "Let the right one in", só me ocorre dizer: grande filme!

É verdade, é um filme de vampiros, mas nada que tenham visto últimamente, nada de fatos negros (inspiração de pessoal gótico), tudo muitos mais simples e directo, ao mesmo tempo, parece tudo muito improvável, mas não é, com realismo e naturalidade que nos leva até aos filmes em que a realidade basta para nos fazer medo.
"Let the right one in", é um filme de origem suéca, adaptado pelo também autor suéco do livro homónimo "Lat den ratte Komma in", John Alvide Lindqvist e realizado por Tomas Alfredson, que nos levam a um universo de uma história de amor entre uma menina vampira e um rapaz tímido e vítima de booling, que curioso e apaixonado descobre que há algo diferente naquela menina. De elevadíssimo rigor estéctico, num universo frio em que as personagens se movem entre o cinzento dos prédios e a pálida decoração típica daqueles países numa acção passada nos anos 80.
A realização transforma este filme numa verdadeira obra de arte, com cenas e prespectivas a encontrar beleza nas cenas mais crueis.
Confesso, que depois de ver este filme senti a sensação que todos os que adoram cinema, como eu, sentem de vez em quando, andei numa espécie de hipnótismo, em que de vez em quando me vinham à cabeça cenas do filme, e daquele ambiente.
Este é um filme imperdível, para quem gosta, ou não de vampiros, gosta ou não de filmes de terror, porque não se trata disto, este é mesmo um filme poético, que reinterpreta todas as histórias de vampíros e do qual difícilmente me irei esquecer!

quinta-feira, 23 de Abril de 2009

Filmes! Filmes do Brasil: Linha de passe e Última parada 174




Resolvi começar esta nova mensagem com algo inédito para este blog, uma crítica a dois filmes ao mesmo tempo, e isto não porque nenhum dos filmes merecesse uma mensagem só para si, mas porque atravessamos uma época em que estreia mais do que um filme brasileiro na mesma altura.

Posso começar por dizer que na minha opinião, entre estes dois filmes existe um bom e um menos bom. Dentro da temática a que já nos têm habituado os filmes brasileiros depois do tão bem sucedido e fantástico "Cidade de Deus", aquele ambiente e realização realista que trás á tona a realidade incontornável da pobreza, degradação humana, drogas, etc, que se vive no Brasil, estes dois filmes circulam também em volta destes temas variando apenas alguns dos intervenientes e histórias principais, não podendo por isso culpabilizá-los ou sequer olhar para esse factor como algo menos bom, devido à imensa matéria prima que infelizmente têm.

O que podemos verificar é que no que toca ao filme "Linha de passe", realizado pelo já famoso realizador Walter Salles , é precisamente a realização o quase único factor realmente bom, porque no que toca ao restante, a única novidade é o elemento futebol, em que nos é apresentada como uma das únicas salvações para uma vida, naquele país onde essa palavra já não tem o mesmo significado.
Uma história que não tem muito mais para dizer, correndo o risco de termos que dizer, que este filme é só um pouco mais do mesmo, não sendo no entanto obviamente um filme mau.

Quanto a "Última parada 174", tenho de forçosamente dizer o oposto do primeiro. Ao contrário do que pude suspeitar, e isto, porque já existia um documentário que faláva deste fatídico caso real, e que é excelente, tive também eu receio que o filme não fosse de tanta qualidade e que caísse no sensacionalismo que por vezes o cinema quer vender.

Este é um filme muitíssimo bem construído que conta a história de Sandro, o rapaz que desviou um autocarro fazendo reféns uma série de pessoas, tendo estas imagens reais corrido mundo. Sandro que mais do que um personagem, foi de facto uma pessoa bem real, com uma vida para além da nossa realidade, daquela que julgamos possível. Sandro aqui e na sua vida, é quase só um exemplo de como se pode criar um menino de rua, um assaltante, um viciádo em cola, cocaína, etc.

"Última parada 174", foi bastante criticado pela opinião pública brasileira, porque acusavam o autor do filme de uma tentativa de inocentar Sandro, mostrando como cresceu, como também ele fazia parte do grupo de miúdos de rua que foram mortos na Candelária, por serem tratados como lixo, mostra a sua vida antes daquele fatídico dia em que também ele perdeu a vida ás mãos da polícia brasileira dos agora famosos BOP. Penso que a ideia do autor é totalmente eficaz. Pretende levar-nos a conhecer os dois lados da culpa. Leva-nos a reflectir.

Depois de ver estes dois filmes, percebemos claramente que em comum têm vidas difíceis quando tudo os cerca a única saída pode ser o futebol, a religião e se nada disto resultar, o crime!

domingo, 19 de Abril de 2009


Olá! Há já algum tempo que não escrevia aqui no nosso blog, e desde essa altura muita coisa se passou e como sabem a vida não pára e por vezes não deixa tempo para muito! Entre viagens, filmes, exposições e uma quantidade de coisas de que poderia ser interessante falar, e como é impossível falar de tudo vamos tentar falar pelo menos sobre aquelas coisas que mais nos têm perguntado, a viagem ao Egipto, cinema (que sei que seguem o nosso blog para saber o que ver a seguir) vou-me esforçar por vos dar umas boas dicas de filmes, e finalmente responder a algo que por vezes me perguntam, os temas de fundo do blog e que volta e meia altero, e que como sabem são feitos por mim com fotos tiradas tb minhas.

Os próximos posts vão ser dedicados ao cinema e às minhas dicas para vocês, fica tb prometida uma viagem atravéz de algumas fotos ao Egipto e relativamente ao tema actual do blog o que vos posso dizer é que as fotos foram tirádas, nos primeiros raios de sol do ano, já há uns mesinhos no lindíssimo Jardim Botânico, agora ajudado pelo patrono Berardo e que necissita tanto das nossas visitas. quanto aos gafanhotos que estão na parte superior foram fotografádos na exposição que estáva patente no J. Botânico sobre insectos de todos os continentes (muito interessante). Adoro fadas, e depois de olhar para a forma como estávam os insectos expostos com uma asa aberta e colorida, dei-lhes uma aura brilhante, com a ideia de mostrar, que na natureza até o que aparentemente é feio , visto com outros olhos pode ser belo!

(em cima, um cartaz da exposição, "Um Mundo de insectos", lamento mas a exposição já terminou.)



Até já!

sábado, 24 de Janeiro de 2009

Milk - CINEMA...e não só!



Muito se fala sobre a proximidade do cinema à realidade e da realidade ao cinema, e ás vezes gostaríamos que não fosse só o cinema a repetir, a relembrar o que se passou na realidade, mas sim, que a história se repetisse a si própria, e que não se esquecesse de si.

Ainda não falei neste blog, sobre a grande vitória de Obama nas eleições Norte-Americanas e no fundo do Mundo, ficam portanto desde já os nossos parabéns! E perguntam vocês porque razão fui buscar Obama para uma crítica sobre cinema?! A resposta é por demais evidente, vamos fazer aqui conovosco um exercício político e mais que tudo social, penso que será este o melhor elogio e contributo que podemos fazer depois de ver este brilhante filme!

Falamos de Milk, o último filme de Gus Van Sant e podemos dizer também de Sean Pen. Este filme fala sobre a ascensão de um homossexual assumido a um cargo no governo do estado Norte-Americano da California. A luta incessante pela igualdade de direitos, conseguindo algumas conquistas de relevo para esta comunidade, obrigando a sociedade da época a aceitara sua posição e a juntar-se também a eles.

Uma história verídica, em que Sean Pen desempenha um papel de Harvey Milk de uma forma absolutamente brilhante, nunca se desviando da personagem, imparável e mostrando aquilo que todos já estamos habituados, mas conseguindo mesmo assim surpreender-nos sempre com papeis novos e vencendo sempre esses desafios. Este é na minha opinião o papel do ano e certamente também um dos melhores filmes do ano! Mesmo que nesta categoria existam fortes candidatos ao Óscar, este é claramente a melhor representação masculina do ano.

A pesquisa á volta do guarda roupa e cenários, é bastante boa conseguindo com isso imprimir toda a veracidade necessária para nos levar ao que consideraro ser um dos aspectos mais importantes do filme, o ambiente vivido naquele momento social e político.

Para quem viu Brockback Moutain e ficou de certa forma desconfortável com as imagens homossexuais presentes no filme, mas que, e porque é inteligente, as aceitou e ficou com pena de uma sociedade que não permite o amor vivido por aqueles dois homens, tem agora uma segunda oportunidade, de poder sentir que para além da diferença e do desconforto que causa ver algumas imagens, provocado pela educação deficiente, perceber que todos tem direito à sua vida e à sua privacidade.

Voltando a Barack Obama, o que vos digo é que fiquei, como todos, feliz por vê-lo ascender à presidência, não que conte que vá salvar o Mundo de graves problemas económicos, não, porque isso tenho a certeza que nem ele nem outro o fariam, pelo menos, nem em um, nem em provavelmente 2 mandatos o conseguiriam fazer! Ele tem pelo menos a desculpa de que se não conseguir salvar o mundo, também não foi ele que o estragou! Mas, o aspecto essencial que podemos tirar desta eleição é incontornávelmente o facto de ter sido eleito o 1º negro, preto, mulato, café com leite (o que quiserem, bolas!!!), para Presidente dos EUA. E o Mundo ficou-se a sentir subitamente fantástico e orgulhoso de si mesmo, e eu também! O exercício que vos proponho é que imaginem agora o mesmo em Portugal e no resto do mundo, e vocês respondem que isso é canja, o mundo está plenamente preparado, CERTO..., imaginem agora se fosse assumidamente homossexual, se em vez da família bonita conforme os standards, um homem, uma mulher e duas filhas lindas eram dois homens, abraçados aos beijos comemorando a vitória...

Pois é, parece que temos todos ainda muito que evoluir!

terça-feira, 20 de Janeiro de 2009

Slumdog Millionaire, o meu filme do ano!

É este! É este o filme do ano! Não tenham qualquer dúvida em relação a isto! Para mim o filme do ano é Slumdog Millionaire! Estou completamente extasiada não encontro palavras para definir o que vi, não me restam quaisquer dúvidas, é este o filme do ano!

Esta tem sido uma época claramente difícil, os filmes vão surgindo uns a seguir aos outros, e a cada um que vou vendo fico mais confusa, acho mesmo que há alguns anos que não via tantos filmes tão bons em tão pouco tempo, e todos do mesmo ano. para provar isto mostro-vos a confusão generalizada para se chegar á conclusão dos prémios a atribuir para, por exemplo, melhor actor masculino, uns preferem este, outros aquele, mas o que ninguém pode dizer é que nenhum merecia, ou melhor, que se qualquer um deles fosse premiado, não seria um justo vencedor, porque seria! O mesmo se tem passado em outras categorias e em quase todos os prémios de cinema mais conceituados que até agora foram entregues, os Bafta, os Globos de ouro, etc. Isto para dizer, que poderiam haver dúvidas mas depois deste filme, se não todas, algumas se deveriam dissipar.


Depois de ver alguns filmes e depois de pensar que já teria encontrado o filme do ano, mas sem certezas, agora sei sem qualquer dúvida, ganhe quem ganhar, o prémio que quiser, que este, não é um bom filme, é um filme especial, daqueles que só vemos de vez em quando, e ás vezes ser especial é quase melhor que ser bom!


Como sabem, não gosto de abrir muito em relação à história dos filmes, para não estragar a surpresa, mas, resumindo muito, esta é a história de um miúdo indiano, muito pobre e sem formação, que está como concorrente do também cá famoso programa "Quem quer ser milionário", mas este na Índia, e se encontra a 1 pergunta do final, a 1 pergunta de ser milionário. Nessa altura, é levado pela polícia e espancado, com o objectivo de descobrir como poderia aquele jovem ´inculto`, saber as respostas certas; teria mentido, teria um cúmplice ou seria destino. Limitando-se a dizer que simplesmente sabia as respostas e em busca de uma explicação para isso, entramos com ele numa viagem alucinante, sobre a história da sua vida, a forma como cresceu na antiga Bombaim, agora Mumbai. Apartir desse momento, é nos apresentada uma imagem brutal sobre a realidade nos bairros de lata indianos, numa luta pela sobrevivência, numa luta pelos valores e pela vida.


Estamos aqui, frente a frente, com um filme de Danny Boyle, o realizador do famoso "Transpoting". Apresenta-se neste filme de forma irrepreensível, com um orçamento controlado a expandir toda a sua criatividade, mostrando que a Arte é isto mesmo, dizer tudo às vezes com tão pouco! Brilhante!

O actor principal, Dev Patel, que interpreta o papel de Jamal Malik, um estreante, com personalidade e carisma, que confessou à entrada dos Globos de ouro, que há uma ano atrás nunca pensou que naquele dia estaria ali. Este brilhante filme é rasgado enquanto se desenrola a acção, por uma banda sonora fantástica de tal forma condizente que, imploro para que esta seja editada, para ouvir nonstop. Uma mistura do som tradicional indiano com um som actual industrial e romântico. Faz-nos lembrar os famoso filmes indianos, é um encontro entre Hollywood e Bollywood. Se os dois fossem perfeitos.


Num cenário totalmente indiano, traçado pelas cores quentes do local, pelo movimento, pela religião, pela pobreza, toda ela, realizado de forma frenética, por vezes alucinante, empurra-nos e retrai-nos, leva-nos ao riso, leva-nos ás lágrimas. Passa-se de facto na Índia, e por ter momentos num bairro de lata, reporta-nos inevitavelmente para o também magnífico "Cidade de Deus" e para as suas favelas, as do Brasil. Passa-se de facto na Índia, mas é transversal a um país, a uma sociedade, a uma religião, a um Mundo.


Slumdog Millionaire não é um filme triste, é acima de tudo um filme de esperança, um filme que nos leva a acreditar, que podemos por mero destino, saber aquele pouco que um dia nos vai servir de muito e que o nosso destino no fim pode ser sempre o Amor!





Resposta a um visitante!




Pedimos desculpa, mas esta mensagem vai direitinha para um visitante deste blog, que há mais de uma semana atrás nos fez uma pergunta sobre o boneco Bruno Aleixo e como resolvi deixar aqui umas imagens para ele, resolvi também responder-lhe com um post sobre o assunto que penso irá interessar a todos.
O Bruno Aleixo é, como já disse numa mensagem publicada à algum tempo atrás, um personagem que tem neste momento o seu programa na Sic radical e que eu achei (e acho) tão curioso e principalmente cómico, tanto em termos de texto, como pelo simples facto de ao vê-lo dar-me imediatamente vontade de rir. (se quiserem saber mais leiam a minha outra mensagem sobre o assunto ou vejam na barra de vídeo ao lado).
Este boneco, quando apareceu, tinha a cara de um personagem que George Lucas criou e que entrou no Star Wars, mas que por essa mesmíssima razão teve de ser alterada a sua cara para evitar problemas legais.
A pergunta que nos foi feita e que vimos agora responder com algum atraso (facto para o qual pedimos desculpa), foi para saber, de que filme teria vindo este boneco e como apenas nos lembrávamos de o ver no Star Wars e de o facto destes seres se chamarem EWOKS, fizemos então uma pequena pesquisa em que descobrimos o seguinte:

- em 1983 aparecem pela 1ª vez em Star Wars Episode VI: Return of the Jedi;
- mais tarde, reaparecem numa série para televisão, Caravan of Courage: An Ewok Adventure;
- depois também numa série de televisão, Ewoks: The Battle for Endor.
(pode clicar nos links para saber mais algumas coisas sobre cada um deles)

Juntámos as fotos que encontrámos deste filme e séries e com as quais ficamos com a sensação de que se trata do Bruno Aleixo. Agora o Bruno tem outra cara, a de um cãozinho, mas o ar sarcástico que tanto o caracterizava continua lá!
Esperamos ter sido esclarecedores, agradecendo desde já a sua visita e esperando que continue connosco!



domingo, 11 de Janeiro de 2009

Globos de Ouro - NOMEAÇÕES (cinema)

É Hoje! Hoje á noite vamos ter a oportunidade de ficar a saber quem vai levar para casa os Globos mais desejados do Cinema e Televisão. Como a cerimónia vai certamente ficar para tarde e devido à diferença horária, só amanhã é que os Portugueses ficarão a saber os resultados. No entanto, para aqueles que como nós não perdem a sensação de ver em directo, podem acompanhar nos canais por cabo, E! Enterteiment e provavelmente NBC.

Entretanto ficamos anciosos que os Globos sejam bem entregues, pelo menos, no que respeita às categorias de cinema, porque são essas as que, a nós particularmente, mais interessam. A lamentar, ficam apenas algumas ausências neste lista, como é o caso de Clint Eastwood, na categoria de melhor actor em Drama, esperamos que os Óscares sejam mais justos, mesmo tendo em conta que estamos frente a um ano em que nesta específica categoria existem claramente mais nomeados de qualidade, merecedores de pelo menos uma nomeação, do que lugares disponíveis.

Desejamos um bom espétáculo para todos, boas apostas e acima de tudo, bons filmes!


Aqui vão as nossas apostas:

ELA * ELE *

Melhor filme- Drama


- Estranho caso de Benjamim Botton *

- Frost/Nixon

- The Reader

- Revolutionary Road *

- Slumdog Millionaire


Melhor Actriz - Drama

- Anne Hathaway - Rachel Getting Married


- Angelina Jolie - Changeling (A Troca) *

- Meryl Streep - Dúvida

- Kristin Scott Thomas - I've Loved You So Long

- Kate Winslet - Revolutionary Road *


Melhor Actor - Drama

- Leonardo Di Caprio - Revolutionary Road


- Frank Langella - Frost/Nixon

- Sean Penn - Milk *

- Brad Pitt - O Estranho Caso de Benjamin Button

- Mickey Rourke - The Wrestler *


Melhor Musical ou Comédia

- Burn After Reading (Destruir Depois de Ler) *


- Happy-Go-Lucky

- In Bruges

- Mamma Mia! *

- Vicky Cristina Barcelona


Melhor Actriz de Comédia ou Musical

- Rebecca Hall - Vicky Cristina Barcelona


- Sally Hawkins - Happy-Go-Lucky

- Frances McDormand - Burn After Reading (Destruir Depois de Ler)

- Meryl Streep - Mamma Mia! * *

- Emma Thompson - Last Chance Harvey


Melhor Actor de Comédia ou Musical

- Javier Bardem - Vicky Cristina Barcelona
*


- Colin Farrell - In Bruges

- James Franco - Pinneapple Express

- Brendan Gleeson - In Bruges

- Dustin Hoffman - Last Chance Harvey *


Melhor filme de Animação

- Bolt


- Panda do Kung Fu *

- WALL-E *


Melhor filme estrangeiro

- The Baader Meinhof Complex (Alemanha)


- Everlasting moments (Suécia/Dinamarca)

- Gomorra (Itália) * *

- I've Loved You So Long (França)

- Waltz with Bashir (Israel)


Melhor Actriz Secundária

- Amy Adams - Dúvida


- Penélope Cruz - Vicky Cristina Barcelona *

- Viola Davis - Dúvida

- Marisa Tomei - The Wrestler *

- Kate Winslet - The reader


Melhor Actor Secundário

- Tom Cruise - Tropic Thunder


- Robert Downew Jr. - Tropic Thunder

- Ralph Fiennes - A Duquesa

- Philip Seymour Hoffman - Dúvida

- Heath Ledger - O Cavaleiro das Trevas * *


Melhor Realizador

- Danny Boyle - Slumdog Millionaire


- Stephen Daldry - The Reader

- David Fincher - O Estranho Caso de Benjamin Button * *

- Ron Howard - Frost/Nixon

- Sam Mendes - Revolutionary Road


Melhor Argumento

- Simon Beaufoy - Slumdog Millionaire


- David Hare - The Reader

- Peter Morgan - Frost/Nixon

- Eric Roth - O Estranho Caso de Benjamin Button * *

- John Patrick Shanley - Doubt


Melhor canção

- Down to Earth (Wall-E)


- Gran Torino (Gran Torino) *

- I Thought I Lost You (Bolt)

- Once In A Lifetime (Cadillac Records)

- The Wrestler (The Wrestler) *


Melhor banda sonora original

- Alexandre Desplat (O Estranho Caso de Benjamin Button)


- Clint Eastwood (A Troca) * *

- James Newton Howard (Defiance)

- AR Rahman (Slumdog Millionaire)

- Hans Zimmer (Frost/Nixon)

sexta-feira, 2 de Janeiro de 2009

Body of lies / O corpo da mentira - CINEMA

O tema deste filme não podia ser mais actual, é só ligar a televisão para ver alguma da realidade em que se baseia esta ficção. Posso mesmo dizer que o filme ajuda a compreender alguns aspectos do que se passa neste momento no Médio Oriente.

Roger Ferris (Leo di Caprio) é um operacional de campo da CIA, que é contratado para descobrir o paradeiro de um terrorista, na Jordânia, tendo para tal a ajuda de um veterano do CIA, Ed Hoffman (Russel Crowe). Ferris tenta infiltrar-se, e para isso, necessita da ajuda do chefe de informações na Jordânia.

Num jogo de partilha, ou não, de informações altamente secretas e de fidelidade, entra-se numa teia de conspirações, envolta numa rede de alta tecnologia, de violência e terror, onde muitas vezes não se sabe quem é o verdadeiro terrorista.


Conseguimos, neste filme, ter uma noção, na prespectiva dos terroristas, de como pode ser visto um atentado, onde morrem por vezes milhares de pessoas, numa sede de poder, disfarçada de guerra religiosa.

A procura de vingança e de poder não tem limites e parte dela só terá fim quando, como diz o personagem de Di Caprio, não houver mais petróleo.


A realização a cabo de Ridley Scott, que já nos mostrou como é ser um expert nestes cenários de acção e guerra, muitíssimo bem filmado, levando o filme, a um realismo impressionante!


A destacar a representação de um Leonardo Di Caprio estonteante, a mostrar (como já disse anteriormente) que os tempos de herói romântico já lá vão, e que depois da não nomeação (imperdoável) para os Óscares em Titanic, da nomeação, mas falta de vitória em "O Aviador", e agora, a quase certa nomeção em "Revolutionary Road", já é tempo da academia se lembrar dele! Por último, Russel Crowe, extremamente bem caracterizado e num papel como também já nos habituou, brilhante!


Não podemos dizer, no entanto, que é um filme extraordinário, porque mesmo sendo um thriller de espionagem, tem uma história paralela de romance, que serve de desculpa para o desenrolar da trama, na minha opinião, muito mal pensado e metido ali a saca-rolhas.


No entanto, é um filme que nos agarra de princípio ao fim, com muita acção (mas da boa), efeitos visuais à altura e sonoros também. É portanto uma boa sugestão de tarde bem passada no cinema!